Archive for April, 2012

Apelo ao desabafo.

April 24, 2012

Um dos objetivos mais latentes do meu intercâmbio sempre foi, e ainda é, bastante específico (e, paradoxalmente, generalista): eu queria voltar mais confiante. Em todas as searas possíveis, mas principalmente na física. Queria estar bem com o meu corpo, com o meu rosto, com a pessoa que eu era – e ainda sou. Para qualquer um que talvez observasse de fora, seria difícil denotar um problema de auto-estima. Extroversão, quase sempre, é encarada como consequência direta de auto-confiança.

Eu não nasci fazendo piada, bebendo cerveja e fazendo amigos na balada. Eu era, aliás, uma criança bastante tímida. Foi depois de um certo tempo na pré-adolescência que descobri que inteligência também desembocava em boas piadas e que, em algumas situações completamente inesperadas e não planejadas, eu conseguia fazer a sala rir de uma piada bem contada, um humor bem sacado.

Isso não significa (e nunca significou) que a minha paz interna havia sido alcançada. Pelo contrário: o humor é, sempre, máscara branca a problemas escuros. Veja, eu era (e confesso que ainda guardo ranço desse comportamento) bastante inseguro. E isso foi decisivo em muitos aspectos da minha vida e bastante determinante em todas as relações que eu já tive, amorosas ou não.

Aqui, na Inglaterra, eu parei de pentear meu cabelo. Não tenho pente e vou para o trabalho com a primeira roupa que pego no armário. Prometi a mim mesmo que eu não ligaria mais para a carcaça. E não ligo. A minha tatuagem e meu recente corte de cabelo são a prova sumária de que eu quero tomar controle do meu corpo e provar a mim mesmo que ele, em si, não importa. Pelo menos a superestrutura, a minha carapaça.  Eu raspei metade do meu cabelo com máquina zero, fiz uma tatuagem sem pensar. Não queria dar atenção aos fatos. Pele é só pele e tatuagem não é nada além de uma cicatriz proposital. Cabelo cresce. Tudo está bem.

A evolução para determinada óbice só se dá, isso é claro, quando a encaramos: eu, que sempre tive esse medo descomunal da feiúra e da não aceitação, precisava ficar à margem do que é bonito socialmente. Se eu tivesse mais tempo, colocava mais uns tantos piercings na cara e fazia mais algumas tatuagens. Elas ainda vão vir, eu sei. Descobri na arte de pintar o corpo uma liberdade interna experienciada em poucas coisas. O corpo é propriedade minha e, meus desenhos, a expressão máxima do meu direito de fazer com ele o que eu bem entender. O meu corpo é meu templo e, hoje, eu sei que ninguém poderá me dizer que eu eu, talvez, pareça um presidiário. Que eu pareça, então. O preconceito vai estar na cabeça do outro, não na minha e, sem demérito algum, não acharei ruim estar fora do círculo de comprensão da mente de gente que não consegue enxergar um palmo à frente do nariz.

Além dos crescimentos óbvios de um intercâmbio, da maior força interna, do meu amadurecimento como cidadão do mundo, eu volto mais jovem. Revigorado em uma consciência tão multicultural e bonita que eu sinto orgulho próprio. Eu sou, hoje, a melhor pessoa que já fui em toda a minha vida. Mesmo parecendo punk e tendo uma tatuagem, não poderia estar mais doce. E isso me faz repensar, de novo, nos paradigmas sociais de julgamento. No quanto existe sob a superfície de qualquer pessoa.

Todos são dignos de amor. Todo mundo tem, ao menos, uma característica passível de ser amada.  A dois meses de voltar pra uma realidade tão quadrada (e cheia de gente que não faz a menor ideia do que é amar), eu me preocupo se eu estou pronto para mergulhar de novo na esteira das vaidades. Tenho medo que vá me faltar ar.

Caio

Vamos falar de coisa boa?

April 24, 2012


As melhores dicas para escolher uma boa câmerade vídeo

Captar os melhores momentos da vida (e também alguns daqueles que preferiria esquecer) nunca foi tão fácil com a disponibilidade e a funcionalidade das novas câmaras de vídeo. Quer seja um viciado no Youtube ou um realizador, hoje em dia não há nada mais fácil do que agarrar numa câmera e começar a filmar. Mas como decidir qual é a melhor câmera para si? Vejamos alguns dos aspetos que deve ter em mente no momento de escolher a câmara. Eis as questões essenciais que deverá colocar a si próprio antes de comprar a sua câmerade filmar.

Quanto você está disposto a pagar?

Assim como tantas outras coisas na vida, ao escolher uma câmera de vídeo você deve considerar atentamente seu orçamento e os recursos que você quer ter na sua câmera, uma vez que qualidade aqui é sinônimo de preço mais alto. Por isso, não faz sentido pagar mais do que você deveria e, com a escolha certa, não existe motivo pelo qual você deva. Para ter certeza da câmera certa, o melhor a fazer é pesquisar bastante e comparar preços para garantir um preço justo aos recursos da câmera escolhida.

Qual a finalidade da máquina?

A escolha acertada de uma câmera de vídeo depende da finalidade que pretende dar ao equipamento. Uma câmera pequena e convencional pode ser ideal para quem tem um estilo de vida mais ativo, ou mesmo para captar momentos em festas ou férias. Porém, se pretende vir a ser um realizador, talvez prefira algo um pouco mais sofisticado. Por exemplo, projetores de playback integrados, filmar em 3D, focagem melhorada e ajuste de exposição podem ajudá-lo a filmar o próximo sucesso da indústria cinematográfica.

Que controlo pretende ter?

Embora possa ser divertido brincar com os diferentes recursos da  de vídeo, há quem prefira simplesmente que o dispositivo faça o trabalho todo por si. Este tipo de câmera é ideal para uma filmagem natura: para aqueles que pretendem um determinado resultado, conseguir a cena perfeita não cabe somente à câmara, mas também à forma como esta é utilizada. A câmera de vídeo pode permitir-lhe variar a saturação das cores, mudar os recursos de luz e alterar a velocidadade da gravação, e esta pode ser a diferença entre filmar uma boa cena e filmar uma cena espetacular.

Como pretende partilhar os seus filmes?

A Internet, em particular, o Youtube, tornaram mais fácil a partilha de qualquer tipo de conteúdo na web. No entanto apesar de muitas câmaras de vídeo modernas virem equipadas com USB para carregar facilmente para PC, e GPS integrado para etiquetar vídeos com as respectivas localizações, o YouTube não é a única forma de partilhar os seus vídeos. Algumas câmaras de vídeo têm agora um projetor integrado, permitindo-lhe projetar os filmes numa superfície sem ser necessário que ter toda a gente à volta de um pequeno ecrã.

Quer esteja à procura da glória de um Oscar ou apenas pretenda ter um registo eterno das suas memórias mais queridas, a câmera certa está seguramente nalgum lugar à sua espera.

 

April 17, 2012

Eu passei a tarde intira com a aba do minivaca aberta e nada, simplesmente nada, veio à minha mente. Eu detesto tanto o fato de eu ter de trabalhar que não consigo me pôr intelectualmente ativo para o que quer que seja. Simplesmente falta inspiração para a vida quando eu estou no trabalho. Parece que eu adoeço e não sei ser. Por que todos os escritórios são amarelados?

Eu tenho preguiça de pensar, de escrever esse texto, juro, estou mole e quero parar de escrever aqui. Quero ir embora para casa mas e aí faço o quê, então? Entro no Facebook? Assisto um episódio de Modern Family? QUECU.

Acho que eu tô sofrendo de TPM masculina.

Preciso de um doce. Juro. Preciso de um doce senão eu vou morrer.

Beijos,
Caio

 

Gosto de gente astral

April 10, 2012

Gente rica e feliz, gente bem resolvida e divertida, gente com problemas mas que ri dos mesmos, gente que sabe a que veio ao mundo e leva tudo numa nice. Já pode ficar rodeado de gente assim? Isso aqui é tipo uma resolução atrasada, era pra sair no ano novo, mas ta saindo só em abril. Acho que posso considerar uma resolução de aniversário, isso porque semana que vem, dia 20, é o meu.

E o negocio é esse agora, astral e boas energias para esses meus 23 anos, acho que é ok querer isso né? não é nada demais.

Minha idéia de querer isso veio esse fim de semana, em meio a um drink e outro com bons amigos nas boas ondas do mar. A vida é foda! é animal! E o povo só sabe complicar né? Ai o que fazer? A resposta estava na ponta da lingua, eu precisava de um turning point na minha vida, nada muito significativo, não é necessário um marco para isso, algo grandioso, etc. esse post é isso, é o meu turning point, é o manifesto que eu escrevo declarando minha independência da chatisse, do mal resolvido, do negativo.

Eu quero é astral, praia, diversão e felicidade, pode?

a praia de sabado

eu no astral

Beijos

Lucas

Acidez esporádica.

April 10, 2012

Bom humor é tipo o IMC da Preta Gil né, gente? Vive oscilando e ninguém sabe o porquê, mas todo mundo tenta achar uma explicação endócrinológica pra isso. (Ai, olha só, piadinha no começo do post, já tô com a corda toda).

Eu fico bem impressionado com humanos que conseguem manter consistência no humor. Digo isso como um aspirante à boa praça. Já escrevi uma vez em um blog qualquer que eu tenha criado (porque, né, blog pra mim é tipo criança Africana comprada da Madonna, TEMDEMONTE), que eu queria estar de bem com a vida, de vento em popa e assim (dedinhos juntos) com o mundo.

Pois bem, até tento e tudo mais ser feliz da vida, mas num consigo. Acho que faz parte daquela minha preguiça que eu nunca contei pra vocês aqui do blog – sou preguiçoso. Dá preguiça de ser legal todo tempo, tá, me deixa.

Que humor é válvula de escape até Rafinha Bastos sabe, mas tem hora que você simplesmente não quer escapulir nada do seu sistema e que faz bem guardar um pouco de rancor e ódio no coração sem externalizar em forma de piada. Faz bem amamentar aquele tumorzinho que você tá criando dentro de você desde aquele trabalho em grupo da quarta série sobre placas tectônicas E QUE O FILHODUMAPUTA DO VICTOR NUM AJUDOU EM NADA MONTOU NAS SUAS COSTAS E LEVOU A NOTA INTEIRA, né, lindinho, saudade.

Tem muita gente ruim no humor no Brasil. Caráleo, como tem. Num vou citar nomes porque num quero me comprometer. Vai que rola um teste do sofá aí, eu vá parar na Malhação e dou de cara com o cujo na festa da QUEM? SITUAÇÃO CHATA.  Mas tem muita gente boa também. Aí eu olho pra esse povo e falo: COMO? Imagina que você é a Tatá Werneck (que é boa comediante), tá de TPM, de bode, sabe, inchada, o Activia da semana num fez efeito e o acúmulo ainda tá lá, NUM SEI MUITAS POSSIBILIDADES DE MAU HUMOR, e tem que gravar  um quadro pro Comédia MTV e sabe, NUM QUERO, ME DEIXA. Se você trabalha num escritório, tá de boa, dá aquela enrolada no chefe, finge que tá olhando alguma coisa no monitor e vai tomar café a cada cinco minutos. MAS NA FRENTE DAS CÂMERAS, COMO EU FAÇO, BIAL?

Humor é tão complicado. Existe de tantos tipos, tantas fases, tantos estímulos. É foda tá naquela rodinha né e fazer a piada do pinto, peido e TIPO NINGUÉM RIR QUE TODAS É FINA NA RODA? Chato. Mas humor bom é humor que faz rir, tá aí o CQC que num deixa a gente mentir, né, zenti? SÓ QUE AO CONTRÁRIO TIPO LÁ DO OUTRO LADO DO MUNDO NO JAPÃO DE TÃO AO CONTRÁRIO.

Queria eu ter a capacidade de entreter a todo momento, a toda a hora, a todos os instantes. Que oS meuS infernoS altral(IS) num prejudicassem minha capacidade de fazer rir e ser querido. Porque todo mundo que quer fazer rir procura a aceitação, que vem de uma carência, uma necessidade a ser suprida de sei lá o quê. É por isso que palhaço bom é palhaço triste. Que tira a maquiagem nos bastidores do circo com lágrimas nos olhos e um aperto no coração. A sina de quem quer fazer rir, ou tenta pelo menos, é ser triste sozinho. Já  é tão ruim encarar tristeza sozinho que, quando tem gente na parada, faz bem mesmo fazer sorrir e levar aquele tapinha nas costas do tipo CARA VC É MUITO ENGRAÇADO PQP.

Aí a gente fica feliz, um tiquinho que seja.

(FALOU  A COMEDIANTE ALOK)

Beijos,
Caio