Por que eu odeio o Papa Bento XVI.

Eu estava lendo algumas reportagens sobre a passagem do Papa pelo México e por Cuba (o pronome de tratamento adequado para se referir ao cujo é “Vossa Santidadade”, mas faço questão de ignorá-lo).

Sempre tive especial interesse em religião e, mais notoriamente, na Igreja Católica Apostólica Romana. A forma através da qual a Santa Igreja se efidificou, os pilares que a mantém de pé depois de 2012 anos de bruta existência e, claro, a sua incoerência, não somente com o mundo atual, mas com o bom-senso.

Dizer que não gosto de religião seria pouco. Eu odeio religião. Sempre odiei. Odiava até mesmo quando eu era religioso, quando rezava todos os dias, quando estava convencido de que existia um Deus. Era o tipo mais comum de ódio internalizado, aquele que não se sabe da existência, aquele que só tomamos consciência quando já estamos no novo processo de odiar. Aí, então, percebemos que odiamos desde sempre.

Sou contra qualquer tipo de radicalismos. E sei disso pois já fui um radical nos tempos rebeldes e adolescentes. Todas as minhas opiniões pareciam marcadas em pedra sagrada e eu argumentava até o final para a defesa de uma posição. Isso se foi. Convivo muio bem, obrigado, com qualquer ideia de mundo diversa da minha. Por vezes, inclusive, nem me meto em qualquer tipo de debate. Essa paixão pela retórica interiorizou-se e a preguiça das pessoas aumentou. Hoje, com (um pouco) mais de maturidade, aprendi que não vale a pena o desgaste com as pessoas que gostamos por conta de uma opiniâo diversa, muito embora o desacordo dessa opinião possa vir a edificar um mundo pior.

Digo isso, porque não entro nas discussões de gente que é contra os direitos civis para homossexuais, gente que é a favor da bancada ruralista, gente que acha que manifestação estudantil deva pra ser reprimida com pancadaria, gente que carrega qualquer tipo de preconceito, gente que crê que o Golpe de 64 foi justificado. Não perco mais saliva. E isso é ruim. Muito ruim. Perdi a paixão por tentar espalhar a palavra por um mundo menos burro (nesse momento, admito que acho que os meus pensamento são o de mais correto para o mundo, sim, pelo menos no que tange aos temas expostos no parágrafo).

Mas quando eu vejo o Papa Bento XVI devidamente aprumado com sua casula de fios de ouro, sua mitra (o chapéu  imponente) e seu báculo (o bastão de conduzir ovelhas), ambos, é claro, feitos do divino material dourado, eu não consigo evitar sentir nojo. Eu não conheço a  história pessoal do Papa e nunca fiz qualquer investigação jornalística acerca de sua vida (nem poderia; escrevo esse texto do trabalho). Não posso julgá-lo pela pessoa que é ou pela pessoa que foi. Sendo completamente justo, não posso julgá-lo baseado em nada. Ninguém pode. Nem mesmo o Deus.

Mas sinto nojo. Nojo pela manipulação execrada que ele destila contra uma multidão de fiéis frágeis (pois a condição humana é sempre frágil e nada mais natural do que crenças para tentar nos tornarmos mais fortes). Não é que a Igreja seja incongruente com o mundo contemporâneo.  Ela sempre o foi. A Igreja que considerou negros sem alma no período colonialista. A Igreja que caçou e queimou mulheres de religião pagã durante a Inquisição. A Igreja corrupta e manipuladora da Idade Média. A Igreja assassina da Guerra Santa. A Igreja que condenava o uso de preservativos enquando 300 milhões de pessoas morriam de AIDS no continente Africano no ano de 2005. A Igreja que é contra a união afetiva de pessoas do mesmo sexo. A Igreja que promete o inferno para os pecadores não arrependidos. A Igreja anti-natural, que força um celibato impossível de ser seguido, que cria padres sexualmente perturbados, pedófilos, estupradores de freiras em mosteiros. Uma Igreja que é burra, feita por homens burros, de barretes longos e cérebros medíocres. Que tem como chefe um homem com suposto histórico nazista, que prega a hipocrisia em forma de ensinamento bíblico, que cria seres-humanos limitados, preconceituosos, raivosos e com qualidades que os afastam das também supostas palavras de amor, caridade e conciliação um dia enunciadas por Jesus.

Eu odeio a religião, pois odeio o fato dela ser um produto humano vendido como divino. Porque a Igreja engana, mente, rouba, julga. A Igreja cria excluídos sociais, monstros marginais. A Igreja é preconceituosa. A Igreja é criminosa. O Papa Bento XVI deveria ser alvo de prisão por incitar o ódio público, por apologia à violência, por pregar o preconceito. E esse é um pensamento radical, porém completamente necessário, uma vez que a gênese da burrice humana nos dias de hoje encontra-se no expoente Papa, chefe de uma Igreja decadente, mas sempre forte, que não cria nada além de um futuro medíocre a uma sociedade que pensa ser cada vez mais livre, mas está sendo cada vez mais dominada.

Eu sou ateu, graças a Deus. Mas minha posição em relação à Igreja não provém da minha falta de crença. Eu, inclusive, admiro as pessoas que acreditam em alguma coisa. A fé, propriamente dita, em um mundo desacreditado, parece para mim uma das maiores qualidades de um ser-humano. Eu não odiaria, se porventura, surgisse um Deus voando por aí. Eu não odeio a ideia de divindades. Eu odeio a idea de exclusão, de preconceito, de manipulação social e de moral hipócrita que a maioria das religiões imprimem em seus cultos.

Mas, acima de tudo, odeio o Bento porque ele é a cara do Lord Sidious e gente que tem esse tipo de semblante não pode prestar. Fica aqui o meu preconceito contra você, Papa. Pega essa.

Beijos,
Caio

3 Responses to “Por que eu odeio o Papa Bento XVI.”

  1. yeska Says:

    Como sempre. Um prazer ler. Ao estar reunidos vamos lá á Sociedad Atea da Universidade de Leeds pra tomar uns drinkis e falar sobre que roupa vamos usar no inferno!! xx

  2. minivaca Says:

    Yeska, nem sabia que vc acompanhava o blog! Que bom saber!
    Seu português quase irretocável, como sempre!
    Quando eu voltar de Barcelona, vamos nos encontrar pra tomar um café!
    Beeijo!

  3. noitedasmeninas Says:

    “Perdi a paixão por tentar espalhar a palavra por um mundo menos burro” – ADOREI!

    (Nat)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: