Liguei o foda-se e hoje sou feliz.

Eu, na verdade, como bom nerd, achava que estava sob influência de tendências schopenhauerianas, dentros das quais havia, finalmente, descoberto a insignificância da vida em si. É uma tese libertadora, de fato: para quê serve nos preocuparmos com o tudo do mundo se, no fim, o tudo acaba no nada? Eu explico: nada do que façamos em vida tem real valor, pois todas as coisas, boas e ruins, terminam na morte, percepção mais indistinguível e incompreendida das coisas humanas.

Que importa se vc foi um advogado de sucesso e ganhou tanto dinheiro na vida? Se foi ator e seguiu seus sonhos? Se tem problemas familiares inconcilíaveis e sinta-se inferior? Que importa? Todas as pessoas, as felizes e as tristes, as ricas e as pobres, as realizadas e as frustradas, todas acabarão da mesma forma. E o que resta dessa sua vida bonita ou feia, real ou imaginária? Nada. Absolutamente nada. Do que vale os outros te lembrarem e contarem suas histórias, se a sensação, que é o que vale a pena da vida, já não existe mais? Vc não vai rir das histórias, não estará lá para ouví-las. Vai estar surdo, mudo e inerte a tudo o que era seu.

Essa semana me peguei pensando diversas vezes em tudo o que queria estar fazendo ao invés de ir trabalhar e ir pra faculdade. Não coloquei nada em prática, confesso. Percebi, porém, que estava muito mais leve em relação às minhas obrigações. Cheguei atrasado todos os dias dessa semana no escritório e automaticamente pensei: “Foda-se”. Tava me segurando para não comer no Burguer King em plena segunda-feira e soltei um sonoro “foda-se“. Esqueci de dar passagem para uma mulher na saída do elevador, como forma de cavalheirismo, e fiquei preocupado se alguém teria notado. Logo em seguida, lembrei: “Foda-se!”. FODA-SE! F – O – D – A  –   S  – E !

Foda-se o que pensam de mim, foda-se esse emprego que eu não gosto, foda-se aquela faculdade 50 por cento de tempo chata, foda-se a cara de cu do meu chefe, foda-se o prazo que eu tenho que entregar amanhã. Foda-se! Pq se eu entregar o prazo ou não, se eu estudar ou não, se eu continuar a ser infeliz ou não, não faz a menor diferença. Eu vou morrer, assim como vc, vc e vc! Todo mundo vai pra terra do pé junto. Então, meu caro, FODA-SE!

Vai ser feliz, ou não, sei lá, não faz diferença! =D

Esse é o Schopenhauer, btw.

Esse é o Schopenhauer, btw.

Beijos,

Caio

5 Responses to “Liguei o foda-se e hoje sou feliz.”

  1. minivaca Says:

    não caio, discordo disso tudo
    acho que o foda-se é uma saida mais facil para enfrentar os problemas do dia-a-dia. Não por que voce vai morrer um dia que voce vai ligar o foda-se e acabou… é um bocado mais complicado na verdade, talvez voce viva até amanha, talvez não. Já imaginou viver até os 90 anos e ter ficado só no foda-se tendo construido uma vida desprezivel? que voce nao aproveitou nada da forma que realmente gosta, acho cafona ficar só no foda-se, um tanto punk rock 70´s, já passou, voce sabe.

  2. desfilenalaje Says:

    CARPE DIEM!

  3. eatgirl Says:

    tipo, larguei as droougas e hoje sou feliz!

  4. Rodrigo Corrêa Says:

    Que papo de Emo…rs

  5. Glaucita Says:

    Concordo. Carpe Diem! Mas com o Foda-se ligado!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: